CENTRO DE APOIO AOS MARINHEIROS

 

No ano de 1906, foi criado no estado do Espírito Santo, um dos mais importantes portos do Brasil, de lá para cá, sua importância para a economia capixaba só aumentou. Hoje, passam por ele, os mais variados produtos, como: automóveis, rochas ornamentais e produtos siderúrgicos.

Passam pelo estado todo mês cerca de 500 navios, cada um deles com centenas de pessoas à bordo, das mais variadas nações.

Diante dessa demanda, no ano de 1995, a Convenção Batista do Estado do Espírito Santo, em parceria com Sailor’s Society, iniciou um trabalho de capelania dentro dos portos da CODESA, denominado de Centro de Apoio aos Marinheiros.

O missionário Ailton Ferreira, se integrou ao projeto no ano de 2002, substituindo o pastor Damivan, fundador do projeto.

“Nosso objetivo é proporcionar ao marinheiro durante os dias em que estiver na capital, um bem estar físico, emocional e espiritual. Em alguns casos nos tornamos a família do marinheiro. Quando um marinheiro embarca numa viajem, passa meses fora de casa. Alguns entram em estado depressivo, e é nesse momento que agimos e nos aproximamos para diminuir as dificuldades trazidas pelo isolamento”, conta o missionário Ailton. 

O missionário relatou que com o passar dos anos a visão do projeto foi mudando, no início o foco do projeto era atender as necessidades de comunicação entre marinheiros e familiares, porém, com o avanço da tecnologia essa demanda se esgotou e o projeto passou a focar no aconselhamento dos marinheiros.

Uma outra vertente do trabalho é a assistência aos marinheiros que estão doentes, em alguns casos eles não voltam para suas cidades por não terem condições clínicas para isso, e ficam internados nos hospitais de Vitória, sem nenhum acompanhante.

“Quando isso acontece dou todo apoio necessário. Meu objetivo com isso é fazer com que ele não se sinta sozinho”, relata o missionário.

Para promover o bem-estar do marinheiro, e ter condições de se aproximar dele, o Centro de Apoio realiza um serviço de guia turístico, onde leva os embarcados para conhecer as belezas do Espírito Santo.

O missionário relata também que tem o sonho de conseguir implantar o projeto em todos os portos do Espírito Santo, hoje, ele só tem autorização para exercer a capelania dentro dos portos da CODESA.

“Minha principal meta é conseguir ter entrada em 100% dos navios que atracam nos portos do Espírito Santo. Temos muitas dificuldades, eventualmente esbarramos em questões burocráticas que atrapalham nossa entrada nos navios”.

Com esse projeto é possível levar o amor de Deus a pessoas de diversos países, dos mais variados costumes e idiomas.